Translate to English

 RSS

      Blogs Feministas
  • A Barata
  • A Cascuda
  • A Moça do Sonho
  • À quatre pas d'ici
  • Alecrim e Sufoco Atmosférico
  • Aleitamento Materno Solidário
  • Aquelah Deborah
  • Arlequina
  • Arranque Meus Olhos
  • As Agruras e As Delícias
  • Babi Lopes
  • Bad Movie Scene
  • Beauvoir au jour le jour
  • Bidê Brasil
  • Bittersweet
  • Blog Blue Jeans
  • Blog da Glória
  • Borboletas nos Olhos
  • Bruna Provazi
  • Café Velho
  • Camaleônica
  • Caminhar
  • Caroline Bernardo
  • Casa da Gabi
  • Casa da Mulher Oito de Março
  • Chá-tice
  • Clarice Maia
  • Clibing The Clouds
  • Coffee, clear heels and random thoughts
  • Como Assim?!
  • Consciência Feminista
  • Contrabandist@s de Peluche
  • Contracultura
  • Conversa de Psicólogo
  • Cynthia Semiramis
  • Da Cerejeira
  • Desautoria
  • Dialógico
  • Diversão sem Culpa
  • Educação à Distância
  • Em Construção
  • Escreva Lola Escreva
  • Escrito em Ametista
  • Espaço B.
  • Esse Tal Climatério
  • Estou Puta!
  • Explorando Escrevendo
  • Foi Feito Pra Isso
  • Garota Coca-Cola
  • Garrafa ao Mar
  • Groselha News
  • Histórias de Menina
  • Humor Pelas Palavras
  • Inquietudes Na Maresia
  • Krasis
  • Lado D.
  • Lia de Lua
  • Lucy, La Feminista
  • Mana Mani
  • Mandinga
  • Maria Frô
  • Mary W.
  • Matizes Femininas
  • Menina de Sardas
  • Meu Jardim de Interesses
  • Meus Alfarrábios
  • Mulher Alternativa
  • Mulher Pós-Moderna
  • Mulheres em Letras
  • Mulheres Públicas
  • Nails Freak
  • Nelumbo Nucífera
  • Nem Tão Óbvio Assim
  • Nós
  • O Mundo Enlouqueceu
  • O Poeta de Ramelin
  • O Prazer do Texto
  • Ou Barbárie
  • Paisagem Estirpada
  • Paisagem Estripada
  • Para Variar, Variando
  • Pensamentos Desconexos
  • Pimenta com Limão
  • Pin Ups
  • Polivalência
  • Ponto de Fuga
  • Quem Mandou Nascer Mulher?
  • Quem o Machismo Matou Hoje?
  • Reino da Almofada
  • Reload
  • Roupas no Varal
  • Saiwalô
  • Se o poeta pra viver
  • Sem Açúcar
  • SexoAchoLegal.com
  • Solidaliberdade
  • Tempestade e Paixão
  • Tereza Não Existe
  • Todas Nós
  • Tutto Petit
  • Urbanamente
  • Who The Hell is Cely?
    • META

    Blogueir@s com Dilma

    Esse blog teve
    visitantes, desde
    setembro de 2003.

    Presentaço pra vocês, no Aniversário de Buda (hoje!)

    Denise | Espiritualidade,Literatura | Saturday, 22 May 2010

    Clique no livro acima para ver o livro Zen em Quadrinhos, na íntegra e em português. Li esse livrinho há anos e adorava reler, de vez em quando. Vale a pena imprimir (e dar cópia pros filhos, se tiver!)    :-)    vejam uma página do livro, aí abaixo.

    Se gostar, compartilhe:

    O que vem após a morte?

    Denise | Diversos,Espiritualidade | Sunday, 22 November 2009

    Estou exausta, passei o dia todo trabalhando no brechó e esqueci meus óculos de leitura por lá, portanto, mal posso ver o que estou escrevendo =) perdoem os erros.  Já estava deitada, mas pensei em escrever uma coisa rapidinha aqui.

    Tenho pensado muito no dpãdua (abaixo) e lembrei de uma conversa que tive há umas semanas com uma pessoa que gosto muito e que se diz agnóstica. Comentei com ela que acho que após a morte não existe NADA, absolutamente NADA. Acaba e pronto. E prefiro assim. Ela teve uma reação inesperada: “Não! de jeito nenhum! Como assim, eu morro e tudo acaba? não pode”  hehehe… uma agnóstica bem crente  =)

    A questão é que eu já ando cansada de mais de 40 anos de culpas, remorsos, arrependimentos, dúvidas… essas coisas que as mulheres brasileiras carregam, peso da nossa formação cristã, cheia de pecados.  Francamente, por mim, se não tiver nada após a morte, é um descanso. Pra quê mais? e ainda tem gente dizendo que aí é que a gente vai “prestar conta dos pecados”, NÃOOOOOOO!!! basta!

    Vejam bem, eu não garanto que não tem mais nada após essa vidinha aqui, porque isso também não foi provado =) mas, duvido muito e juro que prefiro assim. Pra mim, já tem sido muita movimentação  (não que eu esteja reclamando, que continue por muitos e muitos anos!!! toc, toc toc mas uma vida já basta, tá bom.)

    E vocês? dispost@s a refletir sobre uma questão tão profunda num finde prolongado? o que vem após a morte?

    Se gostar, compartilhe:

    Budistas e o natal na Coréia

    Denise | Coreia do Sul,Espiritualidade | Tuesday, 23 December 2008

    Enquanto Bento perde uma boa oportunidade pra ficar calado – faria melhor se usasse esse tempo pra comprar seus sapatos Prada - os monges budistas coreanos, depois de protestarem muito contra uma política institucional tendenciosamente cristã (o presidente é cristão), terminam o ano dando uma aula de cordialidade e desejando “Feliz aniversário a Jesus Cristo”.

    Foto: Yonhap News

    Se gostar, compartilhe:

    Papa envergonha os católicos no natal

    Denise | Espiritualidade,GLBTS | Tuesday, 23 December 2008
    “O papa Bento 16 disse que salvar a humanidade do comportamento homossexual ou transexual é tão importante quanto salvar as florestas da destruição.

    “As florestas tropicais merecem a nossa proteção. Mas o homem, como criatura, não merece nada menos (do que isso)”, disse Bento 16 em seu discurso de final do ano para os seus assessores mais próximos e outros funcionários do Vaticano.

    Segundo ele, a igreja “deveria proteger o homem da autodestruição”.

    “É necessário um tipo de ecologia do homem”, acrescentou.

    O papa criticou a teoria de gênero, que considera que as diferenças biológicas desempenham um papel relativamente pequeno nas diferenças reais entre homens e mulheres. Essa teoria, rejeitada pelo Vaticano, diz que a maioria das diferenças são questões não de sexo mas de gênero, e são formadas e cultivadas socialmente.

    Esta teoria é defendida por grupos gays e transexuais como chave para a tolerância, de acordo com o correspondente da BBC em Roma, David Willey.

    O papa afirmou que tornar menos clara a distinção entre masculino e feminino pode levar à “destruição da raça humana”.

    A igreja católica considera pecado o ato homossexual, mas não o homossexualismo.”

    Fonte: BBC Brasil.

    Se gostar, compartilhe:

    Ateístas contra-atacam no natal

    Denise | Celebrando,Espiritualidade,Washington, dc | Thursday, 13 November 2008

    Por que acreditar em um deus? seja simplesmente bom/boa pela bondade em si.”

    A Associação Americana Humanista acabou de lançar essa campanha, que circulará nos ônibus de Washington, DC até o fim de dezembro.

    “Lançamos a campanha nesse período porque existe um número enorme de agnósticos, ateístas e outros tipos de não-teístas que se sentem sozinhos durante as festas por causa da sua associação com a religião Os posters vão incluir um link para o site da organização, que procura conectar e organizar os que pensam da mesma forma.tradicional”, explica Fred Edwords, porta-voz da organização.

    Segundo ele, o objetivo não é discutir a existência de Deus, ou tentar mudar a opinião de alguém, “nós estamos tentando plantar uma semente de pensamento racional e crítico nas mentes das pessoas.”

    Calma, D. Telma, não estou fazendo nenhuma declaração ou apologia ateísta, mas o que gosto nessa campanha é a idéia de que ter ações bacanas não deveria ter nada a ver com as nossas crenças.

    Ser uma pessoa legal e decente como forma de comprar um ingresso no céu, de garantir um bom karma ou outras “benesses”, nessa vida ou em outra, é, pra mim, uma atitude mercenária. Ter uma fé deveria ser outro departamento.

    _________________________________

    No mês passado, foi a associação britânica que anunciou, com apoio do professor Richard Dawkins, a sua campanha, que será veiculada nos ônibus de Londres, com a seguinte frase:

    “Provavelmente, não existe nenhum deus. Agora, pare de se preocupar e aproveite sua vida.”

    Fontes: AP – Humanist holiday ads say just be good e BBC – ‘No God’ slogans for city’s buses.


    O que vocês acham?

    Se gostar, compartilhe:

    O Seder de Pessach

    Denise | Celebrando,Espiritualidade | Saturday, 15 April 2006

    Na última quarta-feira, dia 12, fomos convidados por Joe e Shelly, pais de Simon, namorado de Bia, para o Seder de Pessach. Como eu adoro conhecer tradições de outros povos, achei uma experiência muito interesssante.

    Além de mim, Ted e Bia, os pais de Simon e ele, estavam alguns amigos, uma americana, um americano e duas russas. Nós eramos os únicos não-judeus, mas nenhum era ortodoxo e, na verdade, a maioria nem era tão “praticante” assim, como o pai do Simon. A mãe dele parece ser a que mais sabe sobre as tradições judaicas, mas Simon também arrisca umas frases em hebraico.

    pessach22.jpg

    Logo no começo, pedi autorização a Shelly pra tirar fotos e fazer esse post, acho que ela, como judia entusiasta das suas tradições, gostou muito da idéia. Deixa explicar logo que não sou nem de longe especialista no assunto e posso ter entendido algo errado e escrever alguma besteira, então, minha querida Sandroca ou outros judeus ou judias podem me corrigir e acrescentar à vontade, OK?

    Como alguns de vocês devem saber, Pessach é a “celebração da libertação do povo de Israel do Egito”, conforme narrado no livro de Êxodo. Não é um jantar comum, mas uma celebração complexa, cheia de significados. Usamos um livro, para seguir a ordem do Seder e cada um leu um trecho. Tudo teve uma duração de, mais ou menos, três horas.

    Shelly começou explicando o significado da mesa. O Prato de Seder de Pessach (foto) tem:

    • Um osso de perna assado que representa o primeiro cordeiro sacrificado, como oferenda do Pessach, há 3.500 anos atrás (Pesach);

    • Um ovo cozido, símbolo de luto pela perda do Templo de Jerusalém (beitzá);
    • Uma raiz forte para lembrar a amargura da escravidão no Egito (maror);
    • Um ramo de salsa, simbolizando o renascimento (karpas);
    • Uma mistura com vinho, maçãs e nozes (Shelly acrescentou manga e outras coisinhas deliciosas) que representam o barro utilizado no Egito (charoset);
    • Aipo, simbolizando a chegada da primavera e a mais bacana:
    • Uma laranja. Essa laranja é uma “novidade” no prato do Seder de Pessach, tanto que não achei nenhuma menção a ela em nenhum site brasileiro. Existem duas teorias para o surgimento e simbolismo dessa laranja.
      • Shelly explicou que uma líder feminista judia, estava dando uma palestra quando um rabino idoso levantou e disse: “Uma mulher pode ser rabina tanto quando uma laranja pode ser colocada no prato de Seder”. A partir daí, as feministas judias passaram a incorporar uma laranja ao prato (claro que ela sabia que eu ia adorar a história :-)

      • Mas, andei pesquisando, e li que a tal feminista, que se chama Susannah Heschel, afirmou que a história é outra. Ela teria escolhido a laranja como um símbolo da inclusão dos gays, lésbicas e outros que são marginalizados na comunidade judaica. As sementes da laranja devem ser cuspidas, significando o repúdio à homofobia no Judaísmo. Adorei!

    Também estava na mesa:

    • Matzá (foto), o pão da aflição, que é um tipo de pão duro, mais parece uma bolacha, feito de farinha de trigo, sem fermento (nem sal!). Segundo a tradição, quando os hebreus fugiram do Egito, em busca da terra prometida, não tiveram tempo de esperar crescer o pão que os alimentaria durante a jornada, por isso é proibido o uso de qualquer tipo de fermento nesses 8 dias da páscoa judaica.

    Preparação:

    • Shelly acendeu as duas velas, fez uma benção e lemos, juntos, a frase “Blessed are you who come in God’s name” (“Abençoados são vocês que vieram em nome de Deus”).

    • Birkat Y´ladim (benção das crianças) – Primeiro ela, fez a benção com Simon, depois foi a minha vez, coloquei a mão na cabeça de Bia (foto), enquanto lia: “Que Deus lhe abençoe com a força e a visão de Sarah, com a sabedoria e previdência de Rebekah, com a coragem e compaixão de Rachel e com a gentileza e graciosidade de Léa” (bonito, né? Bia quase morre de vergonha… hehehe…)

    • Kos Miryam – Todos inclinados para a esquerda, bebemos um gole de água enquanto alguem lia, em hebraico: “Esse é o copo de Miriam, o copo de águas vivas, lembrança do êxodo do Egito”.

    Seder:

    • Kadeish (santificação) – Recitação do kidush e a ingestão do primeiro copo de vinho;

    • Ur’chatz (lavagem) – Lavagem de mãos, Shelly lavou as mãos representando todos na mesa;
    • Karpas – Mergulhamos a salsa nessa tacinha com água salgada e comemos, recitando uma benção, em lembrança às lágrimas do sofrimento do povo de Israel (foto);

    • Yachatz (divisão da matzá) – o matzá é partido ao meio e embrulha-se o pedaço maior;
    • Magid – Lemos a história do êxodo do Egito e sobre a instituição de Pessach, incluindo a recitação das “Quatro perguntas” e bebendo o segundo copo de vinho:
      • “Todas as noites não submergimos alimentos. Porque é que fazemos duas vezes esta noite?”

      • “Porque é que todas as noites comemos hametz e matzá e nesta noite somente matzá?”
      • “Todas as noites comemos todo o tipo de verduras. Porquê esta noite somente ervas amargas?”
      • “Todas as noites comemos sentados ou recostados. Porquê esta noite somente recostados?”
      • Ted, que é impossível, resolveu fazer sua perguntinha também: “O que os judeus acham que acontece após a morte?”, que causou uma grande confusão na mesa, com várias teorias, mas com a conclusão, no final, de que existe um paraíso, para onde vão os bons e um lugar que não chega a ser um inferno, mas é bem desagradável, pros pecadores…
    • Rachtzá – Segunda lavagem de mãos.
    • Otot uMoftim – para lembrar as 10 pragas do Egito, cada um molha o dedo no vinho e pinga 10 vezes num sapinho de cerâmica que fica num pratinho na mesa (foto);

    • Motzi Matzá – benção dos três pedaços de matzá, que é partido e divididos com todos presentes.
    • Maror (raiz forte) – São comidas as raízes fortes (esse amassadinho de nabo cor de rosa choque na foto, lá em cima) relembrando a escravidão e o sofrimento dos judeus no Egito.
    • Koreich – Cada um fez um sanduíche com a matzá, maror e o charosset (cuja receita da Shelly foi disputada, estava uma delícia!).
    • Beitzah – Cada um recebe um ovo cozido e parte ao meio, coloca um pouco da água salgada e come (eu comi o meu e de Ted… hehehe… a essa altura já estava morrendo de fome). Os ovos lembram o começo da vida e refletem nossa esperança de renovação em cada primavera e a esperança de que estejamos juntos nos Seder dos próximos anos.

      pessach18.jpg

    • Shulchan Orech – Nesse momento, foi servido o jantar, que começava com esse peixe cozido com legumes, o Geffilte Fish (foto), depois tinha uma sopa com duas bolas de matzá (sendo essa bola mais molinha, deliciosa!), uma salada, uns bolinhos de batata maravilhosos e, no final, um bezerro recheado com umas coisas que não sei o que eram. De sobremesa muitas frutas deliciosas com matzá coberto com chocolate.
    • Bareich – foi feita uma benção após as refeições.
    • Afikoman – Da mesma forma que nós escondemos ovinhos de chocolate, os judeus (no caso, Simon) escondem um pedaço de Matzá, que foi procurado por todos que estavam na celebração (quem encontrou foi uma das amigas da Shelly, russa).

    Bom, tentei fazer esse post olhando as fotos, lembrando do jantar e consultando o livro que seguimos durante toda a celebração (emprestado pela Shelly) e dando uma olhada em alguns sites. certamente posso ter esquecido algo, mas foi mais ou menos isso. Convido quem já teve oportunidade de participar de Pessach, que acrescente alguma coisa ou me corrija, se estiver errada.

    Achei a comida um pouco estranha, pra gente, mas adorei as bolinhas de matzá na sopa (foto lá em cima). Foi uma experiência fascinante, gostei muito de saber de todos os simbolismos e conhecer mais da história e crenças judaicas.

    Gostaria de agradecer aos nossos anfitriões por todo trabalho que tiveram: “Dear Joe, Shelly and Simon, thank you so much for giving us a chance to share this special evening with you!”


    (Cartum do Piccolomondo)

    Observações:

    A Sandroca me lembrou das músicas de Pessach, que eu esqueci de comentar. No jantar, ninguém cantou nada (ainda bem ou eu ia desafinar feito louca! hehehe) mas tinha um CD tocando músicas de Pessach ao fundo, todo tempo, dando um clima muito especial.

    A Carla Abramovich informou que “nao se pode comer chocolate tb em Pessach e por isso a Nutella tb está proibida, a nao ser chocolates Kasher Le Pessach, que em Israel podem ser encontrados facilmente nesta época.” Carlinha, não sei se o chocolate da sobremesa era kosher ou se foi uma “concessão” do pessoal, mas tinha dois pratos cheinhos de chocolate na mesa…

    Puxada de orelha:

    Hoje de manhã, eu conversei com Simon, que leu o post, com ajuda de Bia e perguntei se estava tudo certo. Ele disse que sim, mas que o Pessach não é a “páscoa dos judeus” como eu coloquei. Ted também me lembrou, agora há pouco, que eu dei esse fora logo na chegada, quando disse algo sobre “jewish easter” e fui corrigida pela Shelly, na hora. Nem lembrava disso.

    Já tirei tudo que diz referência à “páscoa judaica”, mas tava pensando que, em todas as matérias que vi (na Globonews) ou li, os jornalistas brasileiros se referem ao Pessach dessa forma, não é mesmo? os judeus do Brasil não se incomodam com isso? porque parece que os daqui levam ese “errinho” super a sério e não gostam nada, nada da confusão que é feita ao chamar a celebração deles de “páscoa”…

    Fontes:

  • Mesilot Ha Torá
  • Wikipedia
  • Livro: The Open Door – A Passover Haggadah

    ________________________________________________________

    Comentários comentados

  • Se gostar, compartilhe:

    Suprema Corte americana libera uso do hoasca (daime) nos EUA

    Denise | Espiritualidade | Tuesday, 21 February 2006

    hoasca.jpg

    Deu no Washington Post, há poucos minutos:

    Baseada no princípio de liberdade religiosa, a Suprema Corte americana aprovou o uso da “hoasca” (também conhecido como “daime”), chá alucinógeno que é parte de um ritual de uma pequena congregação em New Mexico.

    Segundo o jornal, o chá – que contém uma substância controlada, chamada DMT – é considerado sagrado pelos membros do Centro Espirita Beneficiente Uniao do Vegetal, com origem no Brasil, e que mistura “crenças cristãs e tradições sul americanas”.

    Os cerca de 130 membros nos EUA e 8000 no Brasil afirmam que apenas podem compreender Deus através do chá, que é consumido em cerimônias de 4 horas, duas vezes ao mês. (Bem que podia ter uma filial do centro em DC…)

    Segundo a Suprema Corte, os agentes federais deveriam ter impedido a entrada do chá no país, mas, uma vez aqui, o Governo deve se manter fora das decisões relacionadas a práticas religiosas.

    A administração Bush vem tentando proibir o uso da Hoasca no país. Uhuhuhuhuhu… alucinógeno é ganhar uma batalha contra Bush…

    Leiam, também, sobre a doutrina do Santo Daime, aqui.

    Se gostar, compartilhe:

    Ocultismo, romas ou o escorpião saindo das frestas…

    Denise | Espiritualidade | Sunday, 09 October 2005

    Carmen

    L’amour est un oiseau rebelle
    que nul ne peut apprivoiser,
    et c’est bien en vain qu’on l’appelle,
    s’il lui convient de refuser!
    (…)
    L’amour est enfant de Bohême,
    il n’a jamais, jamais connu de loi,
    si tu ne m’aimes pas, je t’aime,
    si je t’aime, prends garde à toi!*

    Opera Carmen, de Bizet
    (ouça aqui, com Maria Callas)

    Vidas passadas?

    A Ju me disse, ontem, que estamos quase começando o ciclo de Escorpião, segundo ela, é um mês das emoções que estão lá dentro, escondidas nas ‘frestas’, como os escorpiões, e que vêem à tona. Ela acrescenta: “Não é a toa, que se comemora o dia das bruxas, na época de escorpião, pois é o signo, que mexe com o que há de oculto nas pessoas.”

    escorpiao.jpgSegundo ela, como eu tenho a Lua em Escorpião, essa pode ser a razão de eu estar com os nervos à flor da pele, “são emoções que estavam escondidas e estão vindo à tona”. Nada poderia fazer mais sentido… mas acho que, agora, vou botar esses escorpiões pra dentro das frestas rapidinho… hehehe…

    Então, entrando na onda de ocultismo do Escorpião, hoje, de manhã, visitando o Nectar da Juci, tivemos (eu, ela e a Horvallis) um “papo” interessante, lá na caixa de comentários, sobre magia, ocultismo e vidas passadas…

    Eu já disse, aqui no blog, que minha filosofia é “Yo no creo en brujas, pero que las hay, las hay!” não tenho nenhuma religião, não penso no assunto, mas também não descarto (quase) nenhuma possibilidade e, a princípio, (quase) tudo pode ser verdade…

    Às vezes acontece coisas com a gente, que parecem tanto ter tanto significado, que é difícil ter certeza se é só acaso…

    Ted, acredita, completamente, sem nenhuma sombra de dúvidas, em reencarnação e vidas passadas. Eu admiro quem consegue ter tanta certeza de algo assim. Eu mal tenho certeza de quem eu sou, agora, quanto mais do que vou ser após a morte…

    Mas, enfim, lá na Juci, o papo era esse. Vidas passadas. Se isso existir, eu tenho duas dicas interessantes sobre as minhas…

    A roma em mim

    carmem3.jpgUma é que três pessoas, em locais diferentes me disseram, com muita “segurança”, que eu fui uma Roma (cigana**) não em uma, mas em muitas vidas passadas. Não eram pessoas que sabiam nada de mim e das minhas viagens.

    Uma delas me encontrou no Rio de Janeiro, era amiga de uma amiga, muito mística e me garantiu que eu tinha sido uma Roma e dizia isso pelo meu jeito e por um brilho no olhar (bom, vamos combinar que a minha cabeleira e minhas pulseiras ajudam a despertar essas fantasias, nas pessoas, então, não levei a sério).

    Outra foi uma cartomante de Recife. Era um lugar bem barra pesada, num bairro muito pobre e a casa dela cheia de imagens de pais de santo de umbanda, que me assustaram um pouco. Ela leu tarô pra mim e muito do que ela “previu”, há uns 8 anos atrás, não fez sentido nenhum hpje. Mas ela garantiu que eu era uma cigana e ainda disse que tinha uma cigana do meu lado me protegendo…

    A terceira foi uma indiana, numa das minhas viagens a trabalho, não lembro em que país estávamos, mas ela disse que minha rebeldia, minha instabilidade e minha coragem pra dizer as coisas que ninguém diz vinham da minha origem cigana, em vidas passadas, na India e que, agora, eu estava aprisionada em um mundo que não me pertencia. Uau…essa, eu confesso que me impressionou muito. Principalmente por ser uma pessoa muito séria, no trabalho. Ela garantiu que eu, não só tinha sido uma roma, mas uma roma indiana.

    carmem2.jpgBom, não vou dizer que eu acredito nisso, mas adoro pensar que poderia ser verdade…

    Sem dúvida, tenho uma sensação de pertencer à India ou ao Nepal, muito mais que aqui. Adoro as músicas, a dança, a comida, a sensualidade, as roupas, a cultura e me sinto extremamente feliz e em paz quando estou lá.

    Também me transformo quando estou usando uma saia rodada, muitas pulseiras, cabelo solto, quando era adolescente adorava andar com uma papoula no cabelo (achei até uma foto com flor no cabelo aqui no meu album virtual).

    É mais do que achar bonito, é me sentir mais “poderosa”. Adoro uma roupinha ocidental também, um terninho preto básico e chic, e, claro que, por viver aqui, é assim eu me sinto mais “à vontade”, mas tesão mesmo eu sinto por metros de babados… hehehe…

    Meu amor por viagens, claro, também faz sentido com o que as moças disseram. Mal chego e já estou querendo ir embora pra algum lugar (qualquer lugar). Preciso estar sempre em movimento…

    Ted não tem dúvidas em relação a isso (adoro a sua credulidade! hehehe), acabei de falar pra ele sobre ese post e ele garante que eu era uma roma indiana (e das mais assanhadas hahahaha…)

    Medo de água

    dhockney.jpgOutra coisa que me dá uns arrepios, só de pensar, é que eu tenho pavor a água. Já perguntei à minha mãe se houve situações em que quase me afoguei, pequena, porque é um medo absolutamente incomprensível. Principalmente, tenho medo das calmarias, que parecem anteceder alguma coisa.

    Por exemplo, se estiver numa piscina, mesmo que não seja funda, ao mergulhar e ficar embaixo d’agua alguns minutos, fico apavorada. Não existe nenhum risco lógico. É pavor puro. Da mesma forma no mar, por mais rasinho que a água esteja, se não tiver ninguém por perto e eu olhar ao redor, a imensidão do mar me apavora e eu saio pra areia correndo. Fazer um cruzeiro, então, nem pensar…

    Enfim, podem haver mil explicações psicológicas pra isso, que eu não descarto mas, pra algumas pessoas que eu contei isso, eu posso ter morrido afogada em outras vidas. Acho meio duro de acreditar, mas, como eu disse “las brujas hay”… então, quem sabe?

    E vocês?

    Acreditam em vidas passadas? Já se sentiram pertencendo a outra época ou outro país? já tiveram sensação de conhecer algum lugar como se já estivessem estado lá antes? ou acham que tudo isso é uma grande bobagem? (coisa que eu não descarto… hehehehe…)

    ____________________________________________________

    * Tradução tosca e que, humildemente, aceita correções:

    “O amor é um pássaro rebelde
    que ninguém consegue aprisionar.
    É em vão que o chamamos
    Se lhe convém recusar…
    (…)
    O amor é uma criança da Boêmia
    Que nunca, nunca, conheceu a lei
    Se tu não me amas, eu te amo
    Se eu te amo, tome cuidado!”

    Carmen, Bizet.

    ** Roma é uma forma mais correta de se chamar os ciganos e ciganas, como o Guilherme, gentilmente, me informou, dia desses.

    *** Apesar de falar em romas da India, todas essas imagens são bem européias, não consegui encontrar nenhuma outra.

    **** Frestas: uma dúvida gramatical. Não encontrei essa palavra no Houaiss… mas encontrei, inclusive como título de publicação da UNESP. Alguém sabe o moitov? a palavra existe ou não existe?

    Imagens: Infelizmente, as 4 primeiras achei na Internet, sem nenhum crédito. A terceira, da piscina é um detalhe de um quadro do pintor inglês David Hockney.

    Se gostar, compartilhe:

    O novo papa e a tsunami conservadora

    Denise | Discriminção,Espiritualidade,GLBTS | Thursday, 21 April 2005

    papa2.jpgO novo papa e a eleição americana

    Durante a eleição para presidência dos EUA, o cardeal Ratzinger enviou uma carta aos bispos americanos orientando-os a negar a comunhão aos que apoiam os direitos ao aborto, mencionando especificamente “o caso de um político católico que está constantemente em campanha e votando por leis que defendem o aborto e eutanásia”, numa referência clara a ao candidato democrata John Kerry.

    Numa nota de pé de página, nessa mesma carta, o novo papa condenava qualquer católico que vote por um candidato que defenda uma posição pró-aborto. Esse eleitor “seria culpado por colaboração formal com o demônio e, portanto, não seria digno ele mesmo de receber a comunhão”.

    A carta foi discutida pelos bispos dos EUA, que preferiram deixar a decisão sobre negar ou não a comunhão para cada padre. Kerry recebeu a comunhão várias vezes, durante a eleição, mas uma grande parte de católicos que, tradicionalmente votaria no partido democrata, mudou de lado… e o resultado a gente já sabe…

    Teologia da Libertação

    Foi o então cardeal alemão Joseph Ratzinger que puniu o Frei Leonardo Boff com o silêncio obsequioso, deposição da cátedra e proibição de escrever e falar, sendo um dos principais perseguidores da Teologia da Libertação.

    Leonardo Boff afirma, em entrevista pra Folha, que recebeu a notícia de que o cardeal alemão Joseph Ratzinger é o novo papa “com perplexidade e surpresa porque uma igreja conservadora chamou o guardião do conservadorismo para o papado”.

    Homossexuais

    O novo papa condena a homossexualidade, considerada por ele “uma depravação e uma ameaça à família e à estabilidade da sociedade” e a adoção de crianças por casais formados por pessoas do mesmo sexo.

    Em 2003 foi responsável por uma campanha mundial contra a legalização da união civil homossexual e pediu aos políticos católicos de todo o mundo que se pronunciem de forma “clara e incisiva” contra as leis que favorecem casamentos gays.

    “A igreja classifica os casamentos homossexuais como imorais, artificiais e nocivos.” afirmou o novo papa.

    Segundo Luis Mott, antropólogo e fundador do GGB (Grupo Gay da Bahia): “Os gays brasileiros estão em choque. Depois da eleição de Severino Cavalcanti na Câmara dos Deputados, a eleição do teólogo mais intolerante e anti-homossexual na história recente da igreja nos leva a duas conclusões: ou o Espírito Santo está caduco ou seremos beneficiados com a lógica do ‘quanto pior, melhor’”.

    Música, divórcio e os direitos das mulheres

    Segundo a Folha, Ratzinger também é contra o sacerdócio das mulheres e a comunhão aos divorciados que voltarem a se casar.

    Mas, ele não pára por ai. O novo papa também escreve contra música pop, que ele descreve como “um culto industrializado de banalidades” e o rock, descrito em seu livro como “uma expressão básica das paixões que, em grandes platéias, pode assumir características de culto ou até de adoração, contrários ao cristianismo”.

    Era só o que nos faltava.

    Update.: E ele não pára de me surpreender… acabei de ouvir, no Globonews, que o Benedito… oooops… Bento 16 já se meteu até com Madonna (que eu adoro!), a criticando por confundir a sexualidade dos homens e mulheres… Bom, não dá pra dizer que esse papa não é pop…

    ______________________________________

    Fonte: Yahoo News e Folha de São Paulo.

    Leia mais:

    Novo papado – expectativas das mulheres católicas

    gay-christ.gifO que todo cristão deve saber sobre homossexualidade.

    E por falar nisso, acabei de descobrir que a Pride Parade de Washington, DC está fazendo 30 anos e vai ser no dia 11 de junho, em Dupont Circle, e eu, como super simpatizante, não vou perder de jeito nenhum!!!!

    Bandeira: Christian Gays.bt_debate.gif

    Se gostar, compartilhe:

    Findi Zen

    Denise | Espiritualidade | Monday, 18 April 2005

    Voltando de um final de semana delicioso, com muita comida indiana, namorinho, meditação, encontro com amigos maravilhosos e passeio no Village… que mais eu quero da vida?

    Greenwich Village (NYC)

    O Village é uma das minhas áreas preferidas em Nova York, bairro boêmio, com lojinhas espertas, teatros, bares e a maior concentração de gays da cidade, que colorem com seu arco-íris as casinhas de tijolo charmosíssimas.

    O bairro nunca esteve mais bonito. Com uma temperatura de 20 graus, cerejeiras floridas e muita gente bacana pelas ruas, o Village foi a melhor opção pro sábado à tarde. Pra completar, ótima comida indiana e um papo maravilhoso, com amigos queridos.

    Mais fotos do Greenwich Village aqui.

    Centro de Meditação (Long Island, NY)

    Há mais de 30 anos, Ted segue uma filosofia hindu, baseada na meditação, Science of Spirituality. O líder espiritual, Sant Rajinder Singh Ji Maharaj, estava fazendo iniciação de novos seguidores em Long Island, pertinho de NYC.

    Rajinder tem atuado com o Dalai Lama e outros líderes espirituais por movimentos pacifistas. Guiou a meditação de 4.000 pessoas no prédio das Nações Unidas, durante o 50o. aniversário da instituição.

    Eu já escrevi aqui sobre a minha posição em relação a religiões e assuntos espirituais. Sou bem cética e é difícil pra mim acreditar em alguns princípios dessa filosofia que Ted segue, como vidas passadas e outras coisinhas. Mas, sou companheira né? até palestra em hindi eu “assisti”!

    Enfim, foi bacana, tinha gente legal, consegui meditar uns minutinhos e a comida…. hummmmmm… era tudo de bom! adoro comida indiana, comi MUITO bem e ainda tinha um sorvete de manga que era uma coisa dos deuses…

    Se gostar, compartilhe:

    Yo no creo en brujas, pero que las hay, las hay!!!

    Denise | Espiritualidade | Saturday, 04 December 2004

    budist.jpgMinha relação com a religião e a espiritualidade pode ser resumida na frase: “Yo no creo en brujas, pero que las hay, las hay!!!”… ou seja, não sigo nenhuma religião, não acredito em dogmas, mas respeito a possibilidade de que todas elas estejam certas.

    É como se eu não tivesse nenhuma crença, mas ao mesmo tempo, jamais diria que elas não são verdadeiras. Quem pode dizer, com certeza, uma coisa ou outra?

    Desde que li sobre essa filosofia, tenho me definido como uma “agnóstica”, que é aquela pessoa que nem afirma, nem nega a existência de algo sobrenatural, porque, cientificamente, não tem como provar nada.

    Hummm… mas será que eu sou agnóstica mesmo?

    Pra ser bem honesta, eu, quase nunca, penso em religião. E tenho sérios problemas com as religiões que se consideram únicas e donas da verdade.

    Lembro, claramente, que passei a questionar a igreja católica na adolescência, quando descobri que na Asia, com aquela quantidade absurda de gente, acredita-se num Buda e que o Oriente Médio tem o Alá… hummm alguma coisa estava errada… eles todos não podem estar “errados” e nós “certos”…

    Como muitos pessoas, que tenham estudado a vida toda em colégio de padres e freiras, vi e ouvi muitas coisas da Igreja Católica que me desagradaram profundamente. No São Bento de Olinda houve escândalos absurdos, envolvendo padres, abades e professores…

    Por outro lado, não gosto dessas “novas” religiões que querem se impor e que acham que são os “escolhidos” e nós, todos, vamos queimar no inferno.

    mesquita.jpg

    Apesar do enorme machismo, tenho algumas simpatia pelas religiões islâmicas. Na verdade, admiro sua devoção e seus rituais, como o Ramadã. Mas, claro, não fazem parte da minha cultura, apesar de que adoro visitar mesquistas, e faço isso, sempre que me é permitido.

    Como já disse a vocês aqui, tenho profunda simpatia pelo budismo, como filosofia. Os templos são deslumbrantes e eu adoro o Dalai Lama, que é um líder espiritual que vive de acordo com o que prega, a simplicidade.

    No entanto, visitei vários templos e não gosto muito de como as pessoas são estimuladas a doar dinheiro. Pra tudo, tem sempre uma doaçãozinha…pra mim, religião não pode se misturar com dinheiro.

    templobudistamalasia.jpgChega até a ser engraçado. Nessa foto, tirada em Penang, uma ilha da Malásia, está uma roda, que fica girando com potes nas pontas, nos quais estão escritas palavras como felicidade, saúde, casamento, dinheiro… a gente deve fazer uma prece e jogar moedas no pote referente ao pedido.

    Acontece que a coisa fica girando e você não acerta nunca… hehehe… o templo fica mais parecendo aqueles parquinhos, onde você fica tentando acertar a bola…

    O básico pra mim é que eu não gosto de pensar em religião como “salva-vidas”. Digo sempre que, talvez, eu encontre meu caminho espiritual, mas isso vai acontecer no momento certo pra mim, sem pressa. Francamente, ter uma crença cega em alguma coisa, não está me fazendo falta nenhuma.

    mosteiro.jpgAo mesmo tempo, fui criada numa família extremamente católica. Minha mãe ia à missa, todo domingo. Até que começaram a assaltar, lá na frente do Mosteiro de São Bento e agora ela assiste à missa na televisão.

    O Brasil é um país cheio de religiosidade, onde a mistura do catolicismo, a umbanda, o espiritismo e, mais recentemente, a igreja evangélica, dá um caldeirão de crenças…. eu gosto dos rituais.

    Ted, por sua vez, segue um caminho espiritual hindu, muito interessante e no qual acredita piamente, mas não estou autorizada a comentar sobre isso aqui.

    Eu acho que ser uma pessoa legal, gerar coisas boas ao meu redor (sempre que possível, ninguém é santo, né?), respeitar as crenças de cada um… é o que existe de mais importante no caminho em busca da realização espiritual.

    Mas, na prática… essa mistura de crenças, ao meu redor, dá no seguinte… uma bela salada… tudo bem que “sou agnóstica”, mas … quando o avião começa a balançar muito, apelo pro “Pai Nosso”… quando preciso de paz e paciência, leio os dharma de Buda… sei que meu orixá é Oxaguiã, a manifestação jovem de Oxalá… leio os perfis dos meus signos, Leão e Dragão… e o que é pior… morro, MORRO de medo de fantasmas… hehehe…

    singapura.jpgIncoerente, né? mas vou eu seguindo a vidinha, à busca de um caminho espiritual, sem pressa nenhuma e muito feliz do jeito que estou, portanto, por favor, ninguém queira me convencer do contrário… OK?

    Vou adorar ler comentários e discussões sobre o tema, mas pedindo para que respeitem sempre, a minha posição e de todos que escreverem aqui! religião é uma questão polêmica, mas eu acredito que a gente pode ter maturidade pra falar sobre o assunto sem se deixar levar apenas pelo lado emocional, não é?

    Agora, digam ai… como vocês lidam com seu lado espiritual? vocês têm religião? porque escolheram a que tem? como é no país em que vocês vivem? que tal contar ai pra gente???

    ______________________________________________

    ima.jpg

    Desculpa, gente, mas não resisti à brincadeira… hehehe… esse ímã de geladeira diz: “Se um dia eu precisar de religião, vou adorar o bolo de chocolate”… sem querer ofender ninguém, piadinha de quem está fazendo dieta low carb… hehehehe…

    E um avisozinho:

    Como vocês devem ter percebido, já comecei a Galeria de Fotos do Natal. Como a maioria das pessoas estava mandando os mesmos “votos”, tô colocando apenas as fotos de cada um, com seus nomes e links pros blog, OK? dá uma olhada lá. Agora vou esperar que você mande sua foto também!!! beijos!!!

    Se gostar, compartilhe:

    .